Terapia do luto ajuda a superar a morte

A terapia do luto é uma boa alternativa para superar a morte de uma pessoa querida. Descubra melhor como ela funciona e veja como seguir em frente

A morte de alguém querido é como uma ferida. No início sangra, arde, dói de maneira quase insuportável. Com o tempo, vai fechando. O processo para curar essa ferida é longo e doloroso. Cissa Guimarães, por exemplo, recorreu à ajuda da terapia do luto após a morte de seu filho Rafael, de 18 anos, atropelado em um túnel no Rio de Janeiro, no ano passado. “Não é um dia após o outro, e sim um minuto após o outro”, contou ela.

A terapia do luto ajuda quem sofre essa perda a buscar dentro de si o que ainda dá sentido à sua vida, para reconstruí-la. “Procura-se enfatizar que o sofrimento é único e que ninguém o sentirá da mesma maneira. Cada um manifesta sua dor de um jeito para encontrar um alívio”, explica Adriana Thomaz, psicóloga que deu apoio para Cissa. “Com ela [Adriana], entendi melhor a morte, como fazer a conexão com o amor do meu filho e reaprender a viver”, revelou Cissa Guimarães em entrevista ao site UOL.

Parar a vida por causa de tanto sofrimento pode destruir até a saúde de uma pessoa. Para sair dessa é preciso lutar. “A qualquer tempo pode-se procurar ajuda especializada. Acredito que a terapia do luto se iniciada logo após a morte, tem muitos benefícios, não pela ‘terapia’ em si, mas pelo aconselhamento. O tratamento consiste nesse reaprendizado, descobrindo e reconhecendo a maneira particular de aquela pessoa viver seu luto e encontrar suas próprias ferramentas para aliviar a sua dor”, completa Adriana.

Fases do luto

1. Entorpecimento
É preciso aceitar a realidade da morte.

2. Busca e saudade
Viver a dor tentando entender o que está passando.

3. Desorganização e desespero
“É a fase mais difícil, quando ‘cai a ficha’. A terapia do luto iniciada no início do processo ajuda a dar ferramentas de suporte para esses momentos mais difíceis, como a elaboração de uma forte rede de apoio, ajuda espiritual (não necessariamente religiosa) e a busca do sentido da vida”, explica Adriana Thomaz.

4. Reorganização e aceitação
É a hora de se adaptar ao meio em que vive no qual o falecido não está mais. Fazer a redistribuição dos papéis por ele desempenhados e tirar a sua energia emocional dessa relação com a morte dele.

As perguntas mais frequentes

O que fazer com o quarto e pertences de um filho (desmanchar tudo fará a dor diminuir mais depressa)?
Não. Desmanchar tudo não fará a dor diminuir depressa. Quem deve decidir quando e como desmanchar o quarto daquele filho são os pais. Não há regra. O aconselhamento é que esses pais conversem muito. Se há dúvida, é importante esperar até o momento certo. O quarto pode ficar montado por um tempo, de 3 a 6 meses.

Quanto tempo leva para que as coisas voltem ao “normal”?
As coisas nunca voltarão ao normal, se você acha que isso significa ser tudo igual ao que era antes. A pessoa não voltará mais e é preciso se acostumar com essa ausência nos ambientes que vocês costumavam dividir. Se o normal, para você, é a rotina, isso depende muito de cada um que está de luto. Mas, geralmente, em seis meses já se começa a encontrar mais “normalidade”.

O que fazer nas datas comemorativas?
Adriana afirma que os rituais são extremamente importantes, sobretudo nas datas comemorativas. Podem ser religiosos ou não. Mas devem fazer sentido para quem ficou. Por exemplo, se a pessoa que morreu gostava de fazer festas de aniversário, reunir seus amigos no dia pode ser uma boa, se isso fizer bem para você.

Como apoiar quem está sofrendo

A revolta também é um sentimento normal para quem está de luto. “Nada consola. O que se deve fazer é oferecer acolhimento e apoio”, diz Adriana. Quem quer ajudar deve manter os braços abertos para que a pessoa manifeste qualquer tipo de sofrimento, sem conselhos, críticas ou cobranças. “A primeira coisa é garantir ao enlutado que a dor da perda é para sempre, sim, mas a intensidade da dor, a característica do sofrimento, deve mudar”, assegura Adriana.

· Frases que podem atrapalhar: “Seja forte.” “Não chore, seu filho não ia querer te ver triste.” “O tempo cura tudo.” “Confio na sua força.”



Voltar página inicial   Voltar página inicial