Perdoar a quem nos feriu

“É mais fácil perdoar quando você aceita a outra pessoa como ela é, apesar dos seus defeitos”.

perdoar
Nosso sofrimento mais doloroso com frequência provém daqueles que nos amam e daqueles a quem amamos. É nas relações entre marido e esposa, pais e filhos, irmãs e irmãos, professores e estudantes que nossas feridas mais profundas aparecem.

Mesmo anos mais tarde, sim, mesmo muito tempo depois da morte daqueles que nos feriram, talvez ainda precisemos de ajuda para ordenar o que aconteceu nessas relações.

A grande tentação é continuar a culpar os que estavam mais próximos de nós por nossa condição atual e dizer: “Você me fez quem sou hoje, e odeio quem sou”. O grande desafio é reconhecer nossas feridas e afirmar nosso verdadeiro eu como algo mais que o resultado do que os outros fazem para nós.

Só quando pudermos afirmar nosso eu feito por Deus como a verdadeira fonte de nosso ser, seremos livres para perdoar a quem nos feriu.