Precisamos ser para ter

ser-para-ter

Tendo o conhecimento de que vivemos tempos de dificuldades e de transformação, procuro me ajudar e sustentar a esperança por dias melhores. Muitas vezes não é nada fácil, pois as notícias que ouço a todo instante me levam a duvidar – será que um dia ainda viverei num mundo mais fraterno, mais verdadeiro?

Certamente, a mudança já está ocorrendo e o processo não vai parar, doa em quem doer. Os que se recusarem a acordar para a realidade do Bem que nos criou e que espera que sintonizemos nesta sua vibração serão afastados do planeta para que possam viver em locais mais adequados às energias que emitem. A lei da atração não erra e por menos que tenhamos consciência disso, sempre entramos em contato com os nossos iguais.

O processo todo é muito dinâmico e rápido, surpreendente! Muita coisa acontece ao mesmo tempo e por causa da avançada tecnologia de comunicação que o mundo hoje possui, ficamos cientes do que se passa.

O que fica claro cada dia mais, pra mim, é que Jesus encarnou na Terra para nos ensinar a viver, mostrando que sem amar, não estamos no caminho certo, mas desviados da rota natural; totalmente equivocados.

Só focando no amor e buscando perdoar para nos harmonizar verdadeiramente com o outro, poderemos fazer parte da grande população de espíritos que trabalha em nosso planeta, buscando ajudar.

Sem amar não vivemos, apenas existimos de forma muito precária, como verdadeiros sonâmbulos, apartados da Verdade e carentes de conforto espiritual e de paz.

Sinto isso que falo com muita clareza e pode acreditar que sei da dificuldade que existe em ter paciência com pessoas com comportamentos tão equivocados e distorcidos. Mas aí procuro me perguntar internamente: O que Jesus faria no meu lugar? A reposta pode ser difícil de eu colocar em prática, mas chega rapidamente. Ele perdoaria, aliás, nem chegaria a julgá-las.

O amor e a paz andam juntos. Não pode existir um, sem o outro. Só através da compaixão, da compreensão, do real sentimento de irmandade entre todos, chegaremos a vivenciar a tão almejada paz. Nunca através da guerra, como temos feito até hoje. Agressão provoca revolta e mais agressão. Quem fere, sempre já foi ferido. Se não nesta mesma encarnação, mas certamente em outra anterior. Está pedindo amor e ao invés de amar prejudica o outro e granjeia para si mesmo mais sofrimento.

Se desejarmos realmente ter paz, construamos um mundo interior onde a paz exista. É preciso que eu me transforme e me conheça mais, que eu me trabalhe para ser melhor a cada instante, pois essa é a minha primeira e mais importante missão, como espírito encarnado num mundo de expiações e provas. Elas não aparecem em meu caminho para me punir, mas para me advertir, para me ensinar alguma coisa que ainda não sei, mas preciso o mais rapidamente aprender.

Jesus jamais virou as costas para os que estavam errados, mas pelo contrário lhes deu a mão. Ele sabia de nossa condição de espíritos ainda em processo de evolução e nos amava assim mesmo. Não podemos exigir demais de nossos irmãos em humanidade, pois se estamos por aqui e não somos um dos grandes missionários, temos ainda muito que aprender.

Compreendo que o importante é amar. Sempre e se possível incondicionalmente. Percebo que me alimento quando amo e não necessariamente preciso ser retribuída neste sentimento. Quando o amor me inunda estou no paraíso, independente do que está acontecendo em torno.

Nada de novo estou lhe falando que você também já não saiba. Mas assim mesmo acho importante dar meu depoimento, pois ele é muito sincero e esta é uma certeza que hoje tenho, depois dos anos vividos. Passei muitos momentos de frustração por me sentir carente; tive decepções com pessoas que amei e que não me retribuíram na mesma moeda, mas atualmente cheguei à conclusão de que tudo isso não passava de um equívoco, pois esses acontecimentos estavam me ensinando a lidar com a Verdade; a concluir que o amor é o alimento de minha alma e que estando na presença dele, estou plena.

Nosso mundo está muito doente, justamente por causa da falta de amor que norteia as consciências. Estamos preocupados e focados em obter conforto material, como se isto pudesse trazer felicidade duradoura.

Precisamos ser para ter. E amar, para realmente viver.
Todos nós estamos precisando amar e se todos amarmos, todos seremos amados também!

Maria Cristina Tanajura – Socióloga, terapeuta transpessoal.
E-mail: tinatanajura@terra.com.br