O que é a verdadeira religião?

Dada a quantidade de crenças religiosas disponíveis, como discernir quais são verdadeiras e quais não são? Quais são as qualidades da verdadeira religião?

O que é a verdadeira religião?

A palavra religião vem das palavras latinas religare/religio, que significam se reconectar ou reconectar. Também se diz que deriva de relegere (re = novamente, legere = ler), que é ‘ler novamente’ ou ‘passar novamente’.

A origem da palavra religião refletia a atividade do que ser religioso significava, portanto, a palavra era uma descrição precisa da atividade da religião e não como é hoje, onde atribuímos significado às palavras sem conhecer a verdadeira atividade que a palavra está descrevendo.

Hoje, a religião é frequentemente referida como um certo conjunto de crenças, rituais, dogmas, doutrinas por meio de uma religião institucionalizada ou organizada reconhecida, mas isso realmente representa o que é a verdadeira religião como atividade vivida e expressão da vida humana?

Do latim, vemos que a religião tem a ver com se reconectar ou se vincular a algo, o que inevitavelmente diz respeito a um relacionamento com algo. Então surge a pergunta…

Reconectando com o que? E relacionamento com o quê?

Trata-se, em primeiro lugar, da reconexão consigo mesmo, com nosso verdadeiro eu, com o aspecto mais interno do nosso ser e, por meio dessa reconexão, somos obrigados a se reconectar ao Divino, a Deus interior.

Dessa maneira, chegamos a conhecer a Deus, a saber o que nos deu vida e que vive e respira através de nós. Conhecemos e sentimos a pureza do amor que Deus é, um amor pelo qual somos mantidos para sempre, um amor de onde viemos, e do qual podemos viver e expressar, com e quando também voltamos a ele.

A maioria das religiões, se não todas, concorda que Deus (ou por qualquer nome que Deus seja conhecido), é amor. Embora possa haver muitas áreas de desacordo, haveria um consenso universal de que Deus é amor, e até ateus que não acreditam em Deus provavelmente diriam que, se houvesse um Deus, ele deveria estar amando.

Somos seres relacionais e, portanto, a religião é essencialmente sobre o nosso relacionamento conosco, com Deus e com toda a vida. Não apenas isso, trata-se de desenvolver uma qualidade de relacionamento com todos, que se baseia no amor que Deus é e nós somos, e que se expressa com a mesma qualidade de amor.

A verdadeira religião é tão simples assim?

E se a verdadeira religião é sobre o desenvolvimento de relacionamentos conosco, com os outros, com Deus e toda a vida que vem, com e no amor, no conhecimento de que somos amor?

E o ponto de partida de todos esses relacionamentos, sobre os quais todos os outros são fundados, vem do nosso relacionamento conosco, pois é somente quando vivemos de uma maneira verdadeiramente amorosa que podemos incorporar o amor e ser para todos os outros. É sabido que não podemos amar verdadeiramente o outro se não nos amarmos.

Não são necessárias igrejas, pregadores, dogmas, doutrinas em si, pois a verdadeira religião é uma maneira viva de amar que busca levar a qualidade do amor de Deus a tudo o que fazemos, dizemos e pensamos, algo que somos todos capazes de fazer e ser por nós mesmos pela re-conexão com a fonte de amor que habita em nosso próprio coração interior.

Além disso, podemos expandir ainda mais esse assunto observando ‘relegere’ e o que significa ‘ler novamente’, ‘passar novamente’. E se isso se referir à nossa capacidade de entender e ver com olhos diferentes, a nós mesmos, aos outros e ao mundo quando nos reconectamos ao Divino interior?

E se isso for sobre nossa capacidade de ‘ler’ pessoas e vida, para que tenhamos uma compreensão e uma apreciação mais profundas do que está acontecendo em qualquer situação e, portanto, não fiquemos prejudicadas por isso?

E se for através da nossa reconexão com o amor interior, com Deus interior, que somos capazes de aumentar nossa consciência de por que as coisas acontecem do jeito que acontecem e entender que as coisas nunca são o que parecem ser na superfície?

Sentimos e sabemos que, por trás de cada acontecimento, existe uma energia que faz acontecer, uma série de escolhas que criaram um momento, que levou a qualquer resultado à nossa frente. Sabemos que a maneira como vivemos é importante, que nossas escolhas são importantes.

O teste de uma religião ou de um modo de vida religioso é avaliar e discernir a qualidade do modo de vida vivido por aqueles que se alinham ou aderem a essa religião.

É sentir e discernir se o que está sendo vivido e expresso vem do amor que Deus é, ou vem de tudo o que não é amor? Como uma pessoa se trata e como eles tratam os outros? Eles, sem perfeição e aceitando que somos imperfeitos, trazem predominantemente as qualidades de entendimento, permitindo, aceitação, não julgamento, amor e compaixão a todos? Eles vivem com uma qualidade de responsabilidade e integridade que é clara e visível para todos verem, sentirem e conhecerem?

As palavras são baratas e é fácil dizer o que é a verdadeira religião, mas o marcador de uma religião verdadeira e de um modo de vida religioso é se ela é vivida e expressa por aqueles que se alinham a ela de uma maneira que faz a diferença, não apenas para o indivíduo, mas para os outros e para o mundo em geral.

Como o Mestre Jesus disse, “os conhecereis pelos seus frutos”.